Mostra chega à sua 21ª edição com 38 espaços internos e externos, eventos, mesas redondas e palestras

Entrada Bilheteria
Entrada Bilheteria
Gazebo Deck Spa lagoa
Gazebo Deck Spa lagoa

As múltiplas possibilidades da arquitetura, decoração de interiores e paisagismo se encontram para a maior mostra do setor, a Casa Cor Minas, que chega à sua 21ª edição com a missão de despertar o público para os olhares mais atuais deste segmento que ajudou a fomentar no Estado. A mostra volta à charmosa região da Pampulha, em Belo Horizonte, com vista para a lagoa, de 30 de agosto a 6 de outubro.

Um time formado por uma mescla de profissionais consagrados e, este ano, por muitos jovens profissionais premiados e que já se destacam no mercado criou os 38 ambientes da edição 2015. Com eles, de acordo com o diretor executivo Eduardo Faleiro, a Casa Cor Minas consegue antecipar o futuro e apontar para os novos rumos da arquitetura e decoração. “O mundo está em constante mudança e evolução e isso se reflete diretamente nas formas de morar e de a moradia se relacionar com os espaços urbanos”, diz.

O tema da Casa Cor este ano, em todo o país, é a brasilidade, com a proposta de valorizar elementos e materiais típicos da cultura e do design nacional e, ao mesmo tempo, celebrar o jeito brasileiro de morar e de receber. Em Minas Gerais, a mostra vai para a rua pela primeira vez, com atividades outdoor como um parklet e uma instalação na Lagoa da Pampulha

Conjunto arquitetônico da Pampulha

Reconhecida internacionalmente como o maior evento de arquitetura e decoração das Américas e o segundo maior do mundo, a Casa Cor também vai encampar a defesa da promoção do conjunto arquitetônico da Pampulha a Patrimônio Cultural da Humanidade. Na época em que a Casa Cor está de portas abertas ao público da capital mineira, representantes da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) cumprem agenda em Belo Horizonte para vistoriar o complexo com vistas a seu reconhecimento como Patrimônio Cultural da Humanidade. Por isso, segundo João Grillo, o Casa, Cor e Conversas, programação de mesas-redondas e palestras dentro da mostra, irá abordar, entre outros temas, a candidatura a patrimônio e o futuro da região. O resultado do pleito da Pampulha a Patrimônio Cultural da Humanidade sairá em junho de 2016, em Bonn, na Alemanha.

Qualidade de vida e sustentabilidade

Sempre atrelada às principais questões ligadas ao morar bem, a Casa Cor Minas também leva em conta a questão da sustentabilidade. Toda a energia utilizada pelo casarão da avenida das Latânias é 100% renovável, gerada por meio de células fotovoltaicas. Além disso, são utilizadas as lâmpadas de led nos ambientes da mostra. Uma novidade é que os visitantes que chegam de bike à Casa Cor podem utilizar um bicicletário à sua disposição e recebem 20% de desconto no valor dos ingressos.

Os dois últimos dias da Casa Cor Minas 2015, 5 e 6 de outubro, serão dedicados ao Special Sale, período em que o público poderá adquirir objetos, produtos e móveis expostos com descontos de até 70%.

CASA COR MINAS GERAIS 2015

Período: 30 de agosto a 6 de outubro
Special Sale:  5 e 6 de outubro
Local: Avenida das Latânias, número 30, na Pampulha

Horário: de terça a sexta-feira: 15h às 22h

sábados: 13h às 22h

domingos e feriado: 13h às 19h

Ingresso: de terça a sexta-feira: R$ 40 a inteira e R$ 20 meia-entrada

                 sábados, domingos e feriado: R$ 50 a inteira e R$ 25 meia-entrada

Passaporte (válido para todos os dias da mostra): R$ 140 nominal e intransferível, mediante apresentação de documento de identidade

Passaporte estudantes (válido para todos os dias da mostra): R$ 70

Fonte: Link Comunicação Empresarial

Otacílio Bar Gastrô
Otacílio Bar Gastrô

Otacílio – Bar Gastrô

Luciana Savassi e Marcos de Paula

No lugar de um restaurante, um bar Gastrô (bar restaurante), que serve pratos harmonizados com cervejas artesanais, vinhos e espumantes. O ambiente é inspirado no modernismo, com uma releitura do movimento. Linhas retas e geométricas compõem o layout e o mobiliário tem as curvas características de Oscar Niemeyer na cobertura. Uma tenda como se fosse um tecido levado pelo vento repousa sobre o espaço. Outra novidade é a automação total da cozinha, com destaque para armários internos e adega que se abrem por meio de um simples toque no IPad. Tudo isso coroado por uma vista privilegiada da lagoa e do museu na margem oposta, com um por do sol que promete encantar os visitantes.

Jardim Entrada Bilheteria
Jardim Entrada Bilheteria

23 – Jardim de Entrada e Bilheteria

João Diniz e José Baccarini

Na bilheteria, aqui batizada de Pamp.pavilion, o aço oxidado aparece como uma folha contínua que conforma ao mesmo tempo o teto e o piso. A maneira como é utilizado reforça o sentido das bobinas laminadas, forma como este aço é fornecido, e faz alusão às curvas de Niemeyer adotadas em suas obras da Pampulha. Já o jardim confronta duas realidades do paisagismo contemporâneo. Na parte frontal, cangas de minério e folhagens como bromélias e capim dos pampas constituem uma tipologia mais rústica, com boa captação de água. Na parte posterior, o ambiente é seco, com a presença das agaves, do mandacaru local e de uma forração à base de pó e detritos de mármore, revelando a realidade da escassez de água.