Agência nova/sb pesquisa durante um ano o comportamento do consumidor e descobre quatro perfis: consumidor inteligente, pé no chão, sobrevivente e ostentação

consumidores

Diante da crise econômica, o brasileiro muda seu comportamento para manter conquistas. Contra os aumentos de preços e a diminuição de crédito e renda para consumir, a população usou uma arma que está ao alcance das mãos: o smartphone. O celular potencializou a capacidade de pesquisar e comparar do consumidor. E uma pesquisa desenvolvida pela agência de publicidade nova/sb comprovou que esse novo comportamento não é modismo: 92% dos entrevistados se tornaram mais racionais ao consumir; a maioria (49%) através de muita busca de opinião nos sites e aplicativos especializados.
São quatro os perfis encontrados pelo índice popsynergy, pesquisa da nova/sb: Os “Smart Buyers ou Consumidores Inteligentes” (49%), caracterizados pela grande habilidade de economizar e gerir o próprio dinheiro, é se sente menos afetado pela crise financeira que assola o país; os “Pé no Chão” (26%), também praticam o consumo racional, mas não abrem mão de uma certa dose de conveniência; o perfil “Sobrevivente” (17%) não está em posição de escolher muito – tem que reduzir o máximo de custos possível para não se endividar; e, por fim, o grupo “ostentação” (8%), que se caracteriza por dificuldades em abrir mão de gastos e do estilo de vida que tinha antes da crise financeira.

Foram entrevistados mais de 2600 pessoas em todo o Brasil, entre novembro de 2014 e novembro de 2015. Outra descoberta referente ao comportamento do brasileiro em relação ao período é que houve uma mudança brusca no sentido de contenção de gastos em 92% dos entrevistados em apenas um ano, revelando que, além de tudo, a população se mostra bastante flexível em termos de mudança de hábitos.

Conheça outras características dos perfis

Consumidor Inteligente – É planejado e metódico. Pesquisa muito, pois tem receio de correr o risco de não obter a mesma qualidade ao experimentar marcas que nunca usou antes. As classes B e C têm mais indivíduos pertencentes ao grupo, e a escolaridade é de nível médio.

Pé no Chão – O perfil mais aberto a experimentar novos produtos e marcas. Também cortam o supérfluo, mas ajusta o consumo sem grandes sacrifícios. É um grupo qualificado pela sua alta escolaridade, em média. Participam dessa categoria a classe A e alguns membros das classes B e C.

Sobrevivente – É aquele que teve de cortar muitos gastos para não se endividar. Com pouca margem de manobra, opta pelos produtos mais baratos, mesmo que tenha que abrir mão de qualidade. Costuma cortar a alimentação fora de casa e a bebida alcóolica. Predominância das classes D e E, porém, também são encontrados indivíduos da classe B.

Ostentação – Mais impulsivo e indulgente, sente muita dificuldade em mudar seu comportamento de consumo: o consumidor ostentação quer saber de continuar consumindo todos os produtos e serviços que sempre buscava antes da crise. É mais evidente em alguns jovens das classes A e D.

Esses segmentou surgiram a partir da metodologia Popsynergy – Criada pela agência nova/sb para popularidade de comportamentos, temas de opinião pública, causas, marcas, instituições, produtos e negócios. Foram dois anos de trabalho para desenvolvê-la, contou com o envolvimento de 22 especialistas de universidades do Brasil, Reino Unido, Portugal e Espanha. Nesta pesquisa para medir o perfil do consumidor foram entrevistadas mais de 2.800 pessoas (além de grupos focais) de todas as regiões do Brasil, com idades entre 18 e 67 anos, entre novembro de 2014 e novembro de 2015.

“Em parceria com uma equipe de acadêmicos internacionais e o instituto Ilumeo, criamos uma metodologia de direcionamento de marketing. Estes achados através de estatísticas conferem um caráter científico, e não mais empírico ou intuitivo, para a tomada de decisões. Agora os números demonstram para a gente como pensam os brasileiros e quais são as tendências”, explica Sérgio Silva, diretor da nova/sb e também professor de graduação e pós-graduação na FAAP e ESPM, em São Paulo.

nova/sb – tradição em Comunicação de Interesse Público – A nova/sb está entre as maiores agências de publicidade do País. Conta com escritórios completos em São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro, somando mais de 180 profissionais. No portfólio tem clientes como Caixa, Prefeitura de São Paulo, Governo do Estado do Rio, BNDES, Metrô/SP, Piracanjuba, Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Banco Central, Organização Internacional do Trabalho (OIT), Organização Mundial da Saúde (OMS), e Shopping Vila Olímpia. Até hoje é a única agência brasileira convidada pela OMS para participar de suas concorrências e já realizou campanhas para o Dia Mundial do Doador de Sangue, uso indiscriminado de medicamentos e Dia Mundial Sem Tabaco. As peças foram veiculadas em cerca de 200 países.

É responsável pelo projeto de Interesse Público batizado de ComunicaQueMuda, que vai aprofundar a discussão sobre temas polêmicos e de grande impacto público ao longo de 2016, contando com o apoio de estudantes de todo o país. Os temas são: descriminalização da maconha, suicídio, lixo, uso do carro e intolerância. Esta ação segue tradição pioneira iniciada em 2011 pela agência de contribuir com os debates e transformações sociais. Conheça mais em:www.novasb.com.br/inovacao/cqm.programa

Anúncios