O público vai conferir em primeira mão cinco trabalhos de artistas mineiros

Iluminias
Alexandre Andrés

Firmado como um dos festivais de música instrumental mais importantes do país, o Savassi Festival, que este ano chega à sua 15ª edição na capital mineira, tem como um de seus eixos fundamentais o fomento da cena local. Uma prova disso são os lançamentos que integram a programação.

Em seu quarto trabalho de carreira e o primeiro disco totalmente instrumental, o músico Alexandre Andrés apresenta o disco “Macieiras”, produzido em parceria com Rafael Martini no piano, acordeom e voz, Bruno Vellozo no baixo acústico e Gabriel Bruce na bateria e percussão. Além das participações de Antônio Loureiro, Joana Queiroz e Ricardo Herz.

Referências

Inspirado e gravado na fazenda de mesmo nome, “Macieiras” traz oito faixas inéditas e sua sonoridade é atravessada pelas referências musicais de Alexandre Andrés, como o extinto grupo Uakti, o compositor Egberto Gismonti e seu contemporâneo Rafael Martini. Tudo isso resulta em um álbum minimalista e com muita liberdade para os improvisos. Andrés que já se apresentou em outras edições do festival sublinha a importância desse espaço. “Não tinha forma melhor de lançar esse trabalho. Sempre admirei muito o Savassi Festival, pois ele faz um trabalho incrível de fomento da música instrumental feita em Belo Horizonte e no Brasil”

Serginho Silva - Foto Paulo Setubal
Serginho Silva Foto Paulo Setubal

 

Percussão

O veterano Serginho Silva, lança durante a programação do Savassi Festival seu primeiro álbum, intitulado “De verdade” no Centro Cultural Banco do Brasil. Referência em percussão, o músico se destaca por seu trabalho há mais de três décadas transitando por vários gêneros musicais da música popular brasileira. Além de acumular parcerias de sucesso com Milton Nascimento, Beto Guedes, Lô Borges, Elza Soares e Renato Teixeira, já mostrou seu talento em países europeus como França, Alemanha, Itália, Espanha, Lituânia e Bélgica.

 

Pesquisa

Já o músico Dêangelo Silva, vencedor do Prêmio BDMG instrumental 2017, lança seu primeiro álbum, “Down the River”, um trabalho desenvolvido por meio de sua pesquisa e produção autoral em relação à música popular brasileira, jazz e música latino americana, mas sem deixar de contar com a sólida base de música erudita. Nesse trabalho ele foi acompanhado André ‘Limão’ Queiroz (bateria), Bruno Vellozo (baixo), Felipe Vilas Boas (guitarra), Breno Mendonça (sax tenor) e Wagner Souza (trompete). No repertório do show estão as canções de seu novo CD, cujo nome foi inspirado em sua cidade natal. “Faço uma homenagem a minha cidade natal, São Gonçalo do Rio Abaixo, lugar onde está a minha família e minhas origens”, elucida.

Dêangelo - Ensaio Down The River © Flávio Charchar
Dêangelo

Modulações

O percussionista mineiro Túlio Araújo sobe ao palco Oi, em evento na rua, com o Projeto Dobradura para o lançamento de seu terceiro disco nomeado “Monduland”. “Essa é uma palavra que eu mesmo inventei. Uma mistura de mundo (mund), terra (land) e o principal conceito do álbum que são as modulações”, explica. Resultado de quase três anos de imersão no universo das modulações métricas e polirritmias, o show de lançamento desse trabalho conta com a participação especial do músico israelense Guy Mintus.

Em 2014, os músicos do Sem receita foram vencedores do concurso Novos Talentos do Jazz, promovido pelo Savassi Festival. Nesta edição eles retornam para o show de lançamento de seu primeiro trabalho no Centro Cultural Banco do Brasil. O disco homônimo conta com a participação especial do músico Antônio Loureiro, que assina a produção do álbum.

 

Vertentes e influências

Apostando na potência instrumental e na espontaneidade da performance ao vivo, o quinteto formado por Fernando “Feijão” Monteiro (bateria), Harrison Santos (sax tenor), Natália Mitre (vibrafone), PC Guimarães (guitarra) e Rodrigo “Boi” Magalhães (baixo) passeia por ambientes sonoros diversificados, misturando jazz e carimbó, blues e samba, rock e baião, entre outras vertentes e influências. Tudo isso sem deixar de dialogar com a efervescente produção cultural mineira. É essa a toada do primeiro disco da banda. No show eles apresentam as nove faixas inéditas do álbum de estreia, além da versão de “O Bêbado e o Equilibrista”, de João Bosco, cujo arranjo foi premiado pelo concurso BDMG Instrumental deste ano.

 

Serginho Silva

23 de agosto, terça-feira
Horário: 21h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Entrada: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Alexandre Andrés

24 de agosto, quinta-feira
Horário: 20h

Local: Teatro Bradesco (rua da Bahia, 2244, Lourdes)
Entrada: R$ 30 e R$ 15 (meia)
Deangelo Silva
26 de agosto, sábado
Horário: 19h30
Local: Palco AeC (rua Antônio de Albuquerque, entre as ruas Sergipe e Alagoas)

Entrada franca (recolhimento de 1kg de alimento não perecível na entrada)
Túlio Araújo e Projeto Dobradura
27 de agosto, domingo
Horário: 16h
Local: Palco Oi (rua Antônio de Albuquerque, entre as ruas Sergipe e Alagoas)
Entrada franca (recolhimento de 1kg de alimento não perecível na entrada)

O Savassi Festival

O Savassi Festival é um festival de jazz e de música instrumental realizado anualmente, desde 2003. Desde sua criação, o evento já reuniu mais de 335 mil pessoas, que conferiram apresentações de jazz e música instrumental em teatros, bares, casas de shows, restaurantes e espaços públicos da capital mineira. O festival também realiza lançamentos de CDs, concursos, workshops, residência artística, lançamentos de obras inéditas, fomento a colaborações, parcerias com instituições e comerciantes locais e o recolhimento de alimentos não perecíveis destinados para a doação.

 

REDES – SAVASSI FESTIVAL

Facebook – http://www.facebook.com/savassifestivaljazz

Twitter e Instagram: @savassifestival

Site: http://www.savassifestival.com.br

Canal no YouTube: http://www.youtube.com/savassifestivaljazz

 

SAVASSI FESTIVAL 2017

 

Belo Horizonte – 18 a 27 de agosto

Rio de Janeiro – 23 e 24 de agosto

 

www.savassifestival.com.br

 

@aduplainformacao